sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Embebe em álcool e põe

Não foi a situação mais constrangedora pela qual já passei, mas é o máximo de constrangimento que eu me atrevo a passar neste blog.

Aconteceu há alguns meses. Fui à dentista pra dar uma olhada num dente que estava me incomodando. Conheço-a há muitos anos e o nosso papo é sempre bem agradável. Cheguei e esperei um pouco enquanto ela terminava uma consulta. Na minha vez ela me pediu um tempinho pra arrumar as coisas, já que era tarde e sua secretária já havia ido embora. Aproveitei pra iniciar o papo falando do assunto padrão: filhos. Os meus estavam gripados e tiveram febre naquele dia.

Eu falava disso em pé, na porta da sala do consultório, enquanto ela ia de um lado pro outro arrumando as coisas. Quando eu falei de febre ela parou, me encarou seriamente e disse:

- Sabe, eu fiquei sabendo esses dias de uma técnica ótima pra tirar a febre sem precisar de remédio.

Parecia importante e eu prestei atenção enquanto ela explicava:

- Você pega uma meia, embebe em álcool e põe.
- No ânus? Eu perguntei assustado.
- Não! Ela retorquiu encabulada. No pé!


(Podem terminar de rir... Eu espero.)


Eu sei... parece inacreditável que eu tenha dito aquilo. Mas depois de ter um acesso de riso na frente dela que durou uns dois minutos eu consegui me acalmar e tentei colocar panos quentes. Nessas horas é melhor ficar quieto pra não piorar as coisas. Mas eu não me lembrei disso e falei:

- É. Se fosse, curava tudo, né?

Não podia ficar muito pior do que isso. Durante toda a consulta eu me esforcei pra prestar atenção à conversa mas sem muito sucesso. Virava e mexia e lá vinha aquela risada impossível de evitar. Uma semana depois do incidente eu ainda tinha ataques de riso nos momentos menos convenientes. Minha esposa já não agüentava mais.

Mas eu tentei aproveitar este tempo pra entender como é que aquilo pôde acontecer.
Não, justificar não, pois é impossível. Mas eu queria encontrar uma explicação pra aquela idéia estapafúrdia ter passado pela minha cabeça.

A explicação que encontrei é a seguinte. Em primeiro lugar, quando ela começou a falar da tal "técnica" eu tive a nítida impressão de que ela havia abaixado a voz, como se estivesse tomando cuidado pra não falar alto demais. É bem possível que isso não tenha ocorrido de verdade e que tenha sido uma falsa impressão decorrente do fato de ela ter parado de fazer o que estava fazendo pra falar do assunto. Pode ser, também, que eu simplesmente tenha construído esta memória na tentativa de encontrar alguma explicação pra minha escorregada. Não sei. Mas alguma coisa na atitude dela sinalizou pra mim que poderia haver algo de "inusitado" na técnica que ela estava pra me explicar.

Em segundo lugar, quando ela disse "embebe em álcool e põe" ela fez um movimento insinuante com a mão direita. Primeiro ela uniu as pontas dos cinco dedos e os apontou pra baixo. Depois ela fez um movimento rápido de rotação com o pulso fazendo os dedos apontarem para o teto. Não sei quanto à vocês, mas por mais que eu pense sobre o assunto eu não consigo imaginar alguém fazendo este movimento pra calçar uma meia.

Nos poucos décimos de segundo que se passaram entre ela dizer "e põe" e eu responder "no ânus?" meu cérebro construiu uma imagem inusitada e totalmente diferente da que ela tentava representar. E diante do espanto que a imagem me causou, não houve tempo para eu me censurar e me impedir de proferir aquela obcenidade.

Mas não foi tão ruim como pode parecer. Afinal, nós nos conhecemos há bastante tempo. A única coisa que me incomoda agora é não saber o que ela ficou pensando depois. Quer dizer, ela também deve ter construído a sua própria teoria sobre a minha reação. Espero que eu não tenha ficado muito mal na fita...

Acho que não. Afinal, eu escrevi este post alguns dias depois do incidente, quando a memória ainda estava vívida. Desde então já estive no consultório dela outra vez e não houve nenhuma rememoração constrangedora. Só por isso resolvi finalmente publicar minha história.

Agora é com vocês. Ajudem-me a me sentir melhor contando as suas próprias experiências constrangedoras e fazendo-me acreditar que todo mundo passa por isso uma vez ou outra.

7 comentários:

  1. Gu, já ouviu falar em "Ato falho"? Freud explica.


    O último fora que eu dei foi quando revi um amigo que não via a anos. Ele estava com a esposa. Assim que vi fui felicitá-los pela gravidez da mulher.

    Ela não estava grávida. Ela estava gorda.

    ResponderExcluir
  2. Huahuahua!!! Caracas... Assim que eu conseguir parar de rir escrevo alguns micos meus aqui.

    A desinibição para contar este causo foi motivada pelo episódio Meu mico, mico meu do Jovem Nerd??

    ResponderExcluir
  3. @benê: já aconteceu exatamente a mesma coisa comigo, Benes. Foi difícil manter a serenidade...

    @andreyevbr: se foi motivado? Sabe que eu não havia pensado nisso... Eu realmente estava com o texto quase pronto há vários meses. Acho que foi a falta do que fazer nestes primeiros dias de férias... Mas pode ser mesmo que o JN tenha tido alguma influência subconsciente. :-)

    ResponderExcluir
  4. Aqui vai um mico recente:

    Ao descer do carro, um UNO, no centro da cidade no sábado passado um cara se aproxima de mim:

    - Opa, você pode me ajudar?

    Eu automaticamente avaliei a situação, apalpei os bolsos e soltei:

    - Putz, infelizmente hoje eu não tenho nada... Nem uma MOEDA...

    Ao que o cara respondeu:

    - Na verdade queria apenas uma mão para empurrar meu carro, acho que a bateria arriou...

    E apontou para seu VECTRA... Confesso que quase não resisti ao impulso de me esconder debaixo de um carro ou fingir um ataque cardíaco...

    ResponderExcluir
  5. Lembrei de uma gafe minha.

    No ano passado estava com alguns colegas voltando de BH no aeroporto de Confins e como era época de apagão aéreo o assunto era sobre aeroportos.

    Foi quando citei que vi uma imagem de uma pista de aeroporto que cruza com uma avenida e o semáforo da avenida fecha para pousos e decolagens e comentei:

    Que "baianada" fazer um negócio destes e o colega:

    Pera lá eu sou baiano, como voçê fala um negócio desse.

    Passaram-se alguns milesimos de segundos interminaveis, quando o proprio me salvou com seu espirito esportivo dizendo:

    "Voce sabe aquela do baiano que perguntou:
    -Mainha, mordida de tartaruga doi?
    -Não filho, porque voce foi mordido?
    -Não é que vem vindo uma lá longe e eu não sei se vai dar tempo de escapar..."

    UFA!

    ResponderExcluir
  6. Cara, não sei se gosto mais de ler seus posts técnicos ou os mais cômicos. Esse aqui foi fantástico. Mas olha só, esse aqui não aconteceu comigo, mas sim com uma ex-namorada.

    Ela estava em uma academia, fazendo uma esteira, quando chega uma pessoa desconhecida, com idade aproximada a dela e ae começam a papear para cortar aquele clima chato de academia (quase todo mundo malha sozinho).

    Ae conversa vai, conversa vem, e elas começam a falar dos alunos da academia. Coisas do tipo: "- olha aquele cara que bombado" ou " -olha aquela mulher que sarada", etc ...

    Até que certa hora, minha ex viu uma mulher mais velha e, digamos, bem gordinha, com um short justo e curto e um top daqueles que mostra toda a barriga. Segunda ela, daquelas que chama a atenção de longe. Ae minha ex vira pra essa "nova amiga" e diz (vou reproduzir do jeito que ela me contou. Desculpe se as palavras são pesadas):

    - E tem gente que não tem simancol. Olha aquela gorda alí, com aquele shortinho. Que ridícula.

    Sua amiga diz:

    - Pois é. Aquela é minha mãe !!!

    .......

    10 segundos depois, ela sai da esteira, vai embora e me disse que nunca mais voltou naquela academia. Imagine a situação !!!

    []'s

    ResponderExcluir
  7. When you select to play roulette online, have the ability to|you probably can} take advantage of|benefit from|reap the benefits of} a whole host of different variations of the game on 바카라사이트 supply at any good online casino. Roulette variations which are be} well-liked with gamers embrace European roulette, French roulette, American roulette and online-specific variations like multi ball and multi wheel roulette. You can even recreate the magic of Las Vegas in your own home by choosing a live supplier roulette recreation.

    ResponderExcluir